PRF anuncia mudanças na chefia da 7ª Delegacia da PRF em Leopoldina

Da Redação | Rodovias - 21/05/2019 - 08:57 | Atualizado: 23/05/2019 - 09:53

O Inspetor Joel Guedes, de Muriaé, substitui o Inspetor Rodrigo Ladeira, que concedeu entrevista exclusiva ao jornal O Vigilante Online.


Levantamento da PRF na gestão do Inspetor Rodrigo Ladeira aponta que número de acidentes e vítimas nas rodovias da região permaneceu estável entre 2018/2019. Foto: José Augusto Cabral/O Vigilante Online

O Inspetor Rodrigo Ladeira anunciou oficialmente nesta terça-feira, 21 de maio, que deixa a Chefia da 7ª Delegacia da Polícia Rodoviária Federal, cargo que assumiu no início de 2018 ao substituir o Inspetor Américo Cabral, que havia solicitado sua aposentadoria. Ladeira contou que comunicou à Superintendência da PRF em Minas Gerais sua intenção de deixar o cargo e antecipou à reportagem do Jornal O Vigilante Online na última sexta-feira (17) que em seu lugar assumirá o Inspetor Joel Guedes, atual chefe do policiamento da 7ª DPRF. A PRF Roberta Cheuen permanecerá como Chefe de Delegacia Substituta e o Inspetor Marco Moreira assumirá a função de Chefe de Policiamento.

O Inspetor Rodrigo Ladeira ao lado do novo Chefe da 7ª Delegacia de Polícia Rodoviária Federal em Leopoldina, Joel Guedes. Foto: Júlio Cabral/O Vigilante Online

Em entrevista solicitada ao então Chefe da 7ª Delegacia de Polícia Rodoviária Federal em Leopoldina, Inspetor Rodrigo Ladeira, a reportagem foi informada sobre o recente levantamento sobre acidentes e vítimas feito pela PRF em sua área jurisdicional, que abrange os trechos da BR-116 entre Além Paraíba e São João do Manhuaçu, BR-267 – de Leopoldina a Bicas e BR-356, de Muriaé até a divisa com o estado do Rio de Janeiro, em Itaperuna.

De acordo com Rodrigo Ladeira o parâmetro utilizado foi o primeiro trimestre de 2018 e 2019, visando dados mais atuais. O levantamento mostra que o tipo de acidente com maior letalidade é a colisão frontal, seguida da colisão transversal. “Observamos que a quantidade de acidentes graves – que para a PRF são aqueles que tiveram pelo menos 1 ferido grave ou 1 morto no local, não houve variação significativa, de 23 para 24. Também não houve redução no número de mortes. Em 2018 foram 5 mortes na BR-116 e em 2019 foram registradas também 5, sendo 3 na BR-116, 1 na BR-267 e 1 na BR-356”, informou o Inspetor. 

 “Estamos reduzindo esse número de acidentes. Há praticamente uma década, o Inspetor Américo Cabral, representando a 7ª DPRF de Leopoldina, participou de um encontro de DPRFs em Santa Catarina, ocasião na qual a nossa Delegacia foi premiada entre as 15 Delegacias que mais reduziram o número de acidentes no Brasil”, comentou o Inspetor Ladeira.

Conforme relatou à reportagem o Inspetor, os grandes responsáveis pelos acidentes na região são a falta de atenção na condução. “Tanto em 2018 quanto em 2019 a velocidade incompatível foi a segunda causa de acidentes”, destacou o Inspetor, complementando a informação com a terceira causa de acidentes. Em 2018 foram as pistas escorregadias e em 2019 os condutores dormindo. “Nós estamos trabalhando muito na lei do descanso do motorista, fiscalizando a questão do descanso, não necessariamente de veículos de carga, pode ser de passeio também”, contou o policial rodoviário federal, esclarecendo que por incrível que pareça acidentes nestas condições geralmente ocorrem no final da madrugada e no início da manhã, de 04h00 às 07h00.  

“Podemos perceber que na BR-116, no perímetro urbano de Muriaé que é cortado pela rodovia, onde as pessoas estão saindo de um fluxo menor e adentrando num fluxo maior, tem esse histórico de maior número de acidentes. Outro ponto crítico é o perímetro urbano de Leopoldina, onde os acidentes começam a se repetir”, declarou o Inspetor Rodrigo Ladeira.

Ao avaliar o fluxo de veículos nas rodovias da região, Ladeira considera que o maior entrave está na BR-116, pela quantidade de veículos pesados. “Nós, que somos da região, sabemos que a BR-267 também é uma rodovia que requer muito cuidado. A BR-356, em Muriaé, tem menos ocorrências, mas também é importante, embora não esteja na região de Leopoldina, ela liga Muriaé a Itaperuna e à região do Espírito Santo, que é relevante, mas sobressai muito a BR-116”, explicou Rodrigo Ladeira.

Também foram levantados pela PRF os horários de acidentes: das 17h00 às 20h00 e no início da manhã, de 07h00 até as 08h30, horário que as pessoas se deslocam para chegar e sair do trabalho e que se mistura com o horário escolar. Em relação aos dias da semana o levantamento não tem uma regra que se sobressaia. “Em 2019 foram menos acidentes na segunda e terça-feira e o aumento gradativo até sábado. Final de semana as pessoas relaxam, é um movimento diferente, há a possibilidade de ingestão de bebida alcoólica, sabemos que é um fator, então o número de acidentes no final de semana é relevante, mas não deixam de serem relevantes a quarta e a quinta-feiras”, argumentou Ladeira.


O Inspetor relacionou alguns fatores que contribuem para a redução de acidentes, além do trabalho da Polícia Rodoviária Federal, citando o DNIT com a instalação de radares, quebra-molas, e a conscientização dos motoristas que também vem sendo feita. “Então é um somatório. Trabalhamos dentro daquilo que podemos fazer com o direcionamento da fiscalização nos pontos e horários mais críticos e também com a utilização do radar, que é o que interfere naquela que é a segunda causa de acidentes, tirando a falta de atenção, que é a velocidade incompatível. Isso gera uma sensação de que ele tem que cumprir a velocidade regulamentar durante toda a viagem”, definiu.

Fonte: Jornal O Vigilante Online




Os comentários são de responsabilidade dos seus autores e não representam a opinião do Jornal O Vigilante Online, que reserva-se o direito de excluir postagens ofensivas, injúrias, xingamentos, ameaças e agressões a quaisquer pessoas.

Logo O Vigilante
Jornal O VIGILANTE ONLINE | HC&P - Copyright © 2009-2019 | Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem autorização
Criado e Desenvolvido por Criado e Desenvolvido por HPMAIS