Icone de mensagem contato@ovigilanteonline.com Icone de telefone (32) 991734242

Moradora alerta para riscos e demora em retirada de rocha entre São Cristóvão e Três Cruzes

Por Júlio Cabral | Cidade - 07/11/2019 - 11:20 | Atualizado: 17/11/2019 - 12:24

Com mais de 40 dias de atraso, trecho da Rua Omar Rezende Peres está interditado desde o dia 30 de setembro.



O serviço de retirada da rocha localizada à Rua Omar Rezende Peres, entre os bairros São Cristóvão e Três Cruzes, em Leopoldina, tem preocupado moradores das imediações pelo risco e demora em sua conclusão. O desmonte, que já dura cerca de quatro meses, tinha prazo de execução de dois meses e os problemas se acumulam ao longo de seu início, em julho deste ano.


Continua depois da publicidade




A sensação de insegurança está preocupando moradores que, segundo relatos enviados ao jornal O Vigilante Online, com a demora em seu término prejudica ainda mais todos os residentes e comerciantes das imediações. Nesta segunda-feira, 4 de novembro, uma comerciante alertou sobre os riscos daquele serviço. "Hoje na hora do almoço retornando ao trabalho passei na hora que estava caindo um pedaço enorme de rocha e ela está muito na beirada, um perigo para todos nós." Segundo a leitora, que reside no bairro Três Cruzes, com a interdição daquele trecho da Rua Omar Rezende Peres é necessário utilizar a rodovia BR-116 diariamente. "Tenho dois filhos. Levo e busco e tenho que passar no asfalto quatro a cinco vezes por dia com meus filhos. Em outra ocasião tive que ajudar uma moça e empurrar o carro no asfalto", relatou. 

No dia 30 de setembro, uma pedra com peso estimado de duas toneladas se soltou da rocha e atingiu os fundos do galpão da empresa Reciclagem Terra Limpa. A Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros foram acionados e não houve registro de feridos. Naquele mesmo dia o trecho da Rua Omar Rezende Peres havia sido interditado pela secretaria municipal de serviços urbanos, desde que a prefeitura foi informada da possibilidade de problemas com a retirada da rocha. “Havíamos colocado cavaletes de interdição no trecho, mas os condutores de veículos não os estavam respeitando, daí tivemos que trazer caminhões com terra para interditar o trecho”, explicou Geraldo Cevidanes, secretário municipal de serviços urbanos e trânsito, que também esteve no local naquela ocasião. Procurado pela reportagem, o engenheiro da empresa que executa o serviço na rocha não quis se manifestar sobre o assunto.  

A Reportagem entrou em contato com a empresa Presanger Locação de Equipamentos Ltda. responsável pela execução da obra e aguarda retorno.

§ Grande pedra com rachadura começa a ser retirada em Leopoldina
§ Parte de rocha se solta e atinge galpão em Leopoldina






Fonte: Jornal O Vigilante Online




Os comentários são de responsabilidade dos seus autores e não representam a opinião do Jornal O Vigilante Online, que reserva-se o direito de excluir postagens ofensivas, injúrias, xingamentos, ameaças e agressões a quaisquer pessoas.

Logo O Vigilante
Jornal O VIGILANTE ONLINE | HC&P - Copyright © 2009-2019 | Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem autorização
Criado e Desenvolvido por Criado e Desenvolvido por HPMAIS