Trânsito urbano é desafio para autoridades de Leopoldina

O VIGILANTE ONLINE | Leopoldina - 06/04/2018 - 18:14 | Atualizado: 10/11/2018 - 17:44

 Os congestionamentos na região central avançaram pela semana em horários considerados de pico.

Os congestionamentos na região central avançaram pela semana em horários considerados de pico.

Apesar da melhoria na sinalização, colocação e pintura de algumas faixas de pedestres em Leopoldina, o trânsito cada vez mais complicado na cidade aguarda medidas estruturais que consigam atenuar o problema da mobilidade urbana. A falta de políticas públicas contribui para o agravamento da situação, que se complica a partir do crescimento da frota de veículos no município. Além disso, grande quantidade de veículos se desloca de outras cidades para Leopoldina diariamente, ampliando a crise no sistema viário. 

Os congestionamentos na região central, que há pouco tempo eram registrados principalmente nas manhãs de sábado, avançaram pela semana em horários considerados de pico, como no horário de almoço, quando as escolas do município liberam seus alunos e boa parte dos profissionais faz o intervalo para ir e vir do almoço. Também no fim de tarde, encerrando o expediente comercial, aumenta o movimento de automóveis, ônibus, motos, bicicletas, instalando-se novamente o “caos” na região central, ameaçando inclusive a segurança dos pedestres. 

Outro complicador na cidade é a falta de vagas para estacionamento de veículos. Sugerido e reivindicado, o estacionamento rotativo conhecido como “faixa azul” está como uma das opções que podem colaborar com o rodízio nas vagas localizadas no centro comercial e bancário, principalmente nas Ruas Cotegipe, Tiradentes, Presidente Carlos Luz, Ribeiro Junqueira, Custódio Junqueira, Praça Félix Martins, Travessa Pedro II, Praça João XXIII, Praça General Osório, Plóbio Côrtes de Paula, dentre outras.  

Um motorista de ônibus comentou que existem locais onde o estacionamento irregular trava o fluxo de veículos, citando a esquina da Avenida dos Expedicionários, no Bela Vista, com a Rua Omar Resende Peres, no trecho de acesso ao São Cristóvão. “É comum estacionarem carros e motos naquela esquina, não respeitando a distância exigida, o que pode provocar um acidente, além de congestionar o trânsito”, declarou. A reportagem encaminhou esta observação ao setor da Prefeitura responsável pela sinalização, que concordou com a necessidade de se colocar placas proibindo estacionamento nos dois lados daquele trecho da Omar Resende Peres próximo à Avenida dos Expedicionários. 

Recentemente, a colisão de um automóvel em um poste na Rua das Flores, levantou outra discussão: a dos sentidos de direção em algumas vias públicas locais. Opiniões de moradores defendiam a necessidade de mão única na Rua das Flores, Rua São Pedro (Mina de Ouro) e Rua João Gualberto. Em muitas justificativas, o fato de serem ruas estreitas com veículos estacionados reduzindo ainda mais o espaço para passagem de automóveis, ônibus e caminhões. 

Duas rotatórias bastante movimentadas, uma próxima ao Terminal Rodoviário e outra, a Praça Francisco Pinheiro Lacerda, que recebe e distribui o trânsito de veículos da Getúlio Vargas, Custódio Junqueira, José Peres e Gabriel Andrade Junqueira, testam a habilidade e os reflexos dos condutores. Neste ponto existe a necessidade da colocação e/ou revitalização de faixas de pedestres em todas as suas travessias. 

Uma maior utilização do transporte coletivo pela população, também poderia minimizar o número de automóveis e motos no centro da cidade. Com a expansão de bairros residenciais em direção aos extremos da cidade, mais ônibus são necessários para atender à demanda. Não há informações de estudos feitos neste sentido, porém, reclamações de usuários em relação ao tempo de espera nos pontos de ônibus demonstram a necessidade de que este aspecto seja discutido, visando encontrar alternativas que atendam os interesses dos usuários e das empresas de ônibus.   

Campanhas de Educação no Trânsito vêm sendo desenvolvidas em Leopoldina, destacando-se nos últimos anos o Projeto FETRAN (Festival Estudantil Temático de Trânsito), da Polícia Rodoviária Federal em parceria com escolas públicas e particulares, e o “Maio Amarelo”, que tem como objetivo reduzir a violência no trânsito e em 2017 recebeu a adesão da 6ª Companhia de Polícia Militar Independente. No dia 10 de abril, terça-feira, acontecerá a 1ª Reunião do Comitê Intersetorial de Saúde no Trânsito do município de Leopoldina, às 13h30. A reunião será realizada no Salão de Reuniões da Superintendência Regional de Ensino (SRE), na Avenida Getúlio Vargas, 261. Na pauta, as ações a serem desenvolvidas pelo Comitê e repasse de orientações recebidas através de videoconferência. O evento é uma parceria das Superintendências Regionais de Saúde e Educação, sediadas em Leopoldina.

Fonte: Jornal O Vigilante



Os comentários são de responsabilidade dos seus autores e não representam a opinião do Jornal O Vigilante Online, que reserva-se o direito de excluir postagens ofensivas, injúrias, xingamentos, ameaças e agressões a quaisquer pessoas.

Logo O Vigilante
Jornal O VIGILANTE ONLINE | HC&P - Copyright © 2009-2019 | Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem autorização
Criado e Desenvolvido por Criado e Desenvolvido por HPMAIS