Projeto Pérola Negra é premiado no Festival de Dança Internacional de Cabo Frio

Edição: Júlio Cesar Martins | Geral - 11/09/2018 - 10:55 | Atualizado: 11/09/2018 - 13:30

Os integrantes do Projeto retornaram para Leopoldina com premiações de terceiro lugar, solo infantil e conjunto no estilo livre.


  Projeto Pérola Negra é premiado no Festival de Dança Internacional de Cabo Frio.

Projeto Pérola Negra é premiado no Festival de Dança Internacional de Cabo Frio.

No período de 6 a 9 de setembro os componentes do Projeto Pérola Negra, da Escola Municipal Judith Lintz Guedes Machado, participaram do Festival de Dança Internacional de Cabo Frio, no estado do Rio de Janeiro. Representando o município de Leopoldina, os integrantes do Projeto retornaram com premiações de terceiro lugar, solo infantil e conjunto no estilo livre.

De acordo com o Coordenador Geral do Projeto Pérola Negra, Amaury da Silva Santos, a participação dos dançarinos do Grupo Pérola Negra no Festival trouxe mais experiências e premiações para o projeto social, que está em pleno funcionamento na Escola Municipal Judith Lintz Guedes Machado.

A decisão de incluir o projeto em mostras competitivas no ano de 2018, foi tomada pela sua coordenação em março, tão logo as atividades tiveram início. O planejamento da equipe envolvia a preparação dos meninos e meninas para participarem de dois importantes festivais de dança no Brasil: “Amadança Premium Brasil”, em Juiz de Fora, que aconteceu nos dias 29 e 30 de junho e 1º de julho no Cine Teatro Central de JF, e o Festival Internacional de Dança de Cabo Frio, na Associação Atlética Cabofriense. 

No Festival “Amadança Premium Brasil”, o grupo teve as seguintes premiações: Solo estilo livre: troféu 2º lugar – Kersyla Lima de Freitas; Solo estilo livre: troféu 3º lugar – Maria Clara Guimarães Lima Gregório; na modalidade conjunto juvenil – troféu de 3º Lugar para Danilo Rafael Malaquias Casemiro, Romário Severo Lima Silva, Erick Lima Rocha, Luan Santiago Ribeiro, Juliany Elias Teles, Luiz Carlos Augusto Filho e Gisele da Silva Fernandes. 

“Tudo foi muito bem estudado e planejado”, contou Amaury. Segundo o Coordenador Geral do Projeto, os integrantes do Pérola Negra além de terem sido apoiados pela coreógrafa do projeto, Gisele Teles, receberam reforço dos ex-bailarinos da “Cia Impacto Urbano”, coreógrafa Pâmela Oliveira, Vitor Muniz e Ranaytan Teixeira, que realizaram Oficinas e Workshops durante os meses que antecediam as competições. “Como no momento não havia tempo de avaliar se os meninos e meninas do Pérola tinham ou não condições de competir, a estratégia foi: vamos que vamos, ou outros irão em nosso lugar”, revelou Amaury. 

Após concluído o trabalho de preparação, o Pérola Negra seguiu para Cabo Frio “com a cara e a coragem”, comentou Amaury, informando que a delegação retornou do Festival com das premiações de terceiro lugar: no estilo livre infantil o premiado foi Luan Santiago Ribeiro e no sênior estilo livre as premiadas foram Ana Flavia Cardoso, Gabriela de Andrade, Poliana Rodrigues Santos, Maria Clara Guimarães, Marcela de Oliveira, Thaynara Flauzino de Oliveira e Kersyla Lima de Freitas.
      
Sobre o Festival e seus participantes 

O Festival Internacional de Dança faz parte do calendário anual de eventos de Cabo Frio e, nesta edição, contou com a participação de equipes de Goiás, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, além de 15 municípios do Estado do Rio de Janeiro. Competidores da Argentina, Moçambique e Guiné Bissau também marcaram presença. 

O evento começou na quinta-feira (6) e teve cerca de 270 coreografias inscritas. Ao todo, 76 grupos apresentaram as coreografias com aproximadamente 600 bailarinos. O festival é organizado pela escola de Ballet Márcia Sampaio com apoio da Prefeitura. As apresentações foram abertas ao público, com venda de ingressos a R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). 

O Projeto Pérola Negra da Escola Municipal Judith Lintz Guedes Machado, participou da mostra competitiva, um dos principais destaques do festival, sexta-feira (7) às 15h00, reunindo dançarinos de modalidades como clássico de repertório, ballet clássico, estilo livre, dança contemporânea, danças populares, danças urbanas, dança de salão e jazz. As competições seguiram até o domingo (9) e foram divididas em apresentações solo, dupla, trio e conjunto, nas categorias infantil (9 a 11 anos), juvenil (12 a 14 anos), sênior (15 a 17 anos) e avançado (18 a 26 anos). 

A premiação foi em troféu, em dinheiro (de R$ 300 a R$ 1 mil), certificado para todos os participantes e duas semanas de aula com o corpo do Theatro Municipal do Rio de Janeiro para o melhor bailarino e a melhor bailarina.

Fonte: Jornal O Vigilante - Informações: Amaury da Silva Santos - Coordenador Geral do Projeto Pérola Negra.


Logo O Vigilante
Jornal O VIGILANTE ONLINE | HC&P - Copyright © 2009-2018 | Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem autorização
Criado e Desenvolvido por Criado e Desenvolvido por HPMAIS