Icone de mensagem contato@ovigilanteonline.com Icone de telefone (32) 991734242

Fiscais começam a vistoria das 40 barragens de alto risco em Minas Gerais

O VIGILANTE ONLINE | MG - 03/02/2019 - 19:51 | Atualizado: 03/02/2019 - 19:43

A barragem Vargem Grande, da Vale, em Itabirito, na Região Central do estado, passou por vistoria.


Fiscais da Agência Nacional de Mineração, da Fundação Estadual do Meio Ambiente e da Defesa Civil começaram neste sábado (2) a vistoria da barragem Vargem Grande, da Vale, em Itabirito, na Região Central de Minas Gerais. Esta é uma das 40 barragens de rejeitos consideradas de alto risco no estado.

Eles fizeram uma inspeção e analisaram os planos de segurança. A Vargem Grande é uma das barragens construídas à montante pela Vale. Ela tem 9,5 milhões de m³ de rejeitos.


A empresa anunciou, nesta semana, que vai paralisar as atividades lá e em outras nove barragens que ficam em Minas Gerais para realizar o descomissionamento, que é a desativação e retirada dos rejeitos da barragem, nos próximos três anos. Na realidade, a decisão de acabar com as estruturas foi tomada em 2016.

Os técnicos visitaram todas as áreas da mina, conferiram a documentação e caminharam pela crista da barragem. A partir da semana que vem fiscais de outros estados devem reforçar os trabalhos de fiscalização em Minas Gerais. Segundo a Agência Nacional de Mineração, hoje, 40 barragens, aqui no estado, possuem a classificação de dano potencial associado, o que significa que elas podem causar muitos prejuízos em casos de rompimento.

Leia também:
CBA promove visita de autoridades civis e militares à barragem de Itamarati de Minas
Leitores se mostram preocupados com barragens na região após tragédia em Brumadinho


Mais de 30 barragens na Zona da Mata estão na lista de fiscalização priorizada

Trinta e quatro barramentos para diferentes finalidades em cidades da Zona da Mata estão na lista divulgada pela Agência Nacional de Águas (ANA) para fiscalização imediata. A região já registrou dois rompimentos de barragens, em Cataguases, em 2003 e em Miraí, em 2007. Nos dois casos, não houve mortes, mas danos materiais em diferentes municípios.

De acordo com a ANA, as 34 barragens da lista foram enquadradas como Dano Potencial Associado (DPA) alto. O DPA refere-se o dano causado em caso de acidente ou rompimento e é classificado de acordo com as infraestruturas e populações localizadas abaixo da barragem. É um critério para determinar se uma barragem está submetida à Lei nº 12.334 de 2010.

Conforme a lista, a fiscalização imediata na região será em 27 hidrelétricas, em cinco contenções de resíduos de mineração e em duas contenções de resíduos industriais em 18 municípios: Juiz de Fora, Rio Preto, Leopoldina, Muriaé, Rio Pomba, Astolfo Dutra, Guarani, Santos Dumont, Matias Barbosa, Piau, Ervália, Guiricema, Além Paraíba, Chiador, Descoberto, Recreio, Miraí e Itamarati de Minas. (Confira abaixo a lista da região)

A responsabilidade de fiscalização será da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semad) no caso das contenções de resíduos industriais; da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para as hidrelétricas e da Agência Nacional de Mineração (ANM) para as contenções de resíduos de mineração.

Barragens que terão fiscalização priorizada na região de Leopoldina

G1 Zona da Mata

Fonte: G1 MG e G1 Zona da Mata




Os comentários são de responsabilidade dos seus autores e não representam a opinião do Jornal O Vigilante Online, que reserva-se o direito de excluir postagens ofensivas, injúrias, xingamentos, ameaças e agressões a quaisquer pessoas.

Logo O Vigilante
Jornal O VIGILANTE ONLINE | HC&P - Copyright © 2009-2019 | Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem autorização
Criado e Desenvolvido por Criado e Desenvolvido por HPMAIS