Icone de mensagem contato@ovigilanteonline.com Icone de telefone (32) 991734242

Mais de 50 casos prováveis de dengue são registrados em Leopoldina

Por Júlio Cabral | Cidade - 07/05/2019 - 18:12 | Atualizado: 11/05/2019 - 10:21

De acordo com boletim da Secretaria de Estado de Saúde, já são 209.276 casos prováveis da doença neste ano em Minas Gerais.


Lilian Cunha/SES-MG  

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) divulgou nesta terça-feira (7), o Boletim Epidemiológico com novos dados referentes aos casos de dengue, zika e chikungunya no estado.

Conforme o relatório, até agora foram registrados 209.276 casos prováveis de dengue no Estado. São 82 óbitos em investigação para dengue. Vale ressaltar que os óbitos em questão foram notificados ao longo de 2019 e não são, necessariamente, óbitos recentes. Em relação à Febre Chikungunya, Minas Gerais registrou 1.587 casos prováveis da doença em 2019. Até o momento, não houve registro de óbitos suspeitos da doença. Já em relação à Zika, foram registrados 650 casos prováveis da doença em 2019 até a data de atualização do boletim.

Em Leopoldina foram registrados até o momento 51 novos casos prováveis de dengue. Os maiores registros aconteceram na segunda e na última semana de abril, onde 16 e 14 casos prováveis, respectivamente, foram identificados. Com relação a Chikungunya, 5 casos prováveis foram registrados em 2019. Ainda conforme o boletim, nenhum caso de zika foi atualizado no município.


O Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) divulgado pela Secretaria determinou Leopoldina na faixa amarela de alerta. De acordo com o balanço apresentado pela SES, Leopoldina se encontra com o índice 2,4. 
Imóveis abandonados em Leopoldina preocupam moradores
Casos prováveis de dengue em 2019/Gerência Regional de Saúde (GRS) de Leopoldina

Leopoldina: 51; Cataguases: 30; Recreio: 27; Astolfo Dutra: 12; Além Paraíba: 9; Volta Grande: 5; Laranjal: 4; Dona Euzébia: 3; Argirita: 2; Santo Antônio do Aventureiro: 2; Itamarati de Minas: 2; Pirapetinga: 2; Palma: 1; Estrela Dalva: 0; Santana de Cataguases: 0.

Ações permanentes para o controle da dengue, zika e chikungunya

As medidas de controle da dengue, zika e chikungunya em Minas acontecem o ano todo e são intensificadas nos meses mais quentes, em que há maior incidência da transmissão das doenças. Como parte dessas ações, a Secretaria de Estado de saúde de Minas Gerais (SES-MG) liberou, nesta terça, um aporte financeiro às Unidades de Pronto Atendimentos (UPA), de 32 municípios. O recurso, de aproximadamente R$ 17 milhões, é um adiantamento de seis meses dos valores da contrapartida estadual de custeio das UPA’s 24h. Os valores já foram destinados aos Fundos Municipais de Saúde e aguardam os trâmites bancários para compensação.

Foram também publicadas duas resoluções em 26 de abril, com aprovação de liberação de recursos financeiros aos municípios. Juntas, as duas resoluções totalizam um repasse de R$ 8,3 milhões para ações de enfrentamento da dengue em 200 municípios com incidência alta ou muito alta da doença. Entre as atividades que poderão ser realizadas, está a contratação de agentes de controle de endemias, capacitações para profissionais na assistência hospitalar, confecção e reprodução de material gráfico informativo, aquisição de material de apoio para ações de mobilização, além de mutirões de limpeza de áreas prioritárias.

Conscientização da população

Outra medida adotada pela SES-MG é a realização da Força-Tarefa, que envolve diferentes áreas, como Assistência (Atenção primária e nível hospitalar), Vigilância Epidemiológica, Comunicação/Mobilização e Controle Vetorial, e conta com reforço dos agentes de controle de endemias municipais.

Marcus Ferreira/SES-MG  

Nesse caso, as equipes realizam visitas às residências, comércios, instituições públicas e terrenos vagos para o recolhimento de objetos inservíveis, aplicação de larvicida onde for necessário e, o mais importante, orientar as pessoas, por meio do trabalho de educação em saúde, quais os pontos de atenção para os possíveis focos do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya.

Fonte: Jornal O Vigilante Online




Os comentários são de responsabilidade dos seus autores e não representam a opinião do Jornal O Vigilante Online, que reserva-se o direito de excluir postagens ofensivas, injúrias, xingamentos, ameaças e agressões a quaisquer pessoas.

Logo O Vigilante
Jornal O VIGILANTE ONLINE | HC&P - Copyright © 2009-2019 | Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem autorização
Criado e Desenvolvido por Criado e Desenvolvido por HPMAIS